Inset Indica: Ghost of Tsushima, uma batalha com a honra

Denner Perazzo

Publicado 28/jan6 min de leitura

Resumo

Explore o Japão feudal nessa emocionante e honrosa aventura: Jin Sakai está em busca da sua vingança. Mas você decide como ele vai fazê-la

Confira nosso vídeo sobre o jogo!

Ghost of Tsushima, um exclusivo do PlayStation 4 e do PlayStation 5, foi um dos melhores jogos de 2020. O título da Sucker Punch Productions trouxe um épico samurai cheio de ação que deixaria Akira Kurosawa orgulhoso. O jogo coloca você no papel de Jin Sakai, um dos últimos samurais sobreviventes na ilha de Tsushima após a invasão do exército mongol.

Porém, além de seus conflitos externos, Jin enfrenta suas próprias emoções e honra. Um samurai é treinado desde tenra idade para manter suas emoções sob controle, mantendo a honra até contra o mais cruel dos inimigos. E aí que Jin entra em colapso, pois ele não quer ceder a todos os meios disponíveis, como agir furtivamente como um ninja, para derrotar os invasores de sua terra e assassinos do seu povo.

É a partir daí que sua história, aventura e vingança se desenrolam. Entenda e se apaixone por Ghost of Tsushima no review de hoje, aqui no Inset Indica.

ficha técnica ghost of tsushima
Foto: Iara Ferreira/Inset

História

Acordando no campo de batalha de Tsushima para encontrar seu povo massacrado nas mãos de um exército mongol invasor, o samurai (e nobre) Jin Sakai se encontra em um bom e velho conto de vingança. Embora pareça um conflito superficial, a configuração é francamente genial, permitindo que a narrativa floresça ao lado do jogador. Jin se transforma na persona do “Fantasma” (daí o Ghost), o potencial salvador do Japão, mas sua linhagem nos fornece uma base sólida que informa as motivações de seu personagem.

Ver tudo se desenrolar com áudio em japonês e em um filtro opcional preto e branco (“Kurosawa mode”) é glorioso. A Sucker Punch presta homenagem ao cinema japonês clássico durante as 30 horas de duração do jogo. A mais recente aventura da desenvolvedora é uma ode aos filmes de samurai, levando adiante o DNA visual e temático de filmes como Sanjuro de Akira Kurosawa, Samurai Assassin de Kihachi Okamoto e Harakiri de Masaki Kobayashi.

Ghost of Tsushima está enraizado em um evento real - a primeira invasão mongol da ilha de Tsushima em 1274 – ,porém com algumas liberdades poéticas, vamos dizer assim. Ele se apega ao conceito popular do samurai, uma ideia dos guerreiros do século XVI e posteriores, ao invés da realidade do século XIII. A Sucker Punch aponta abertamente para a fantasia do samurai. A aparência e a sensação, não seguindo a tradição histórica.

Eu vou te dizer: realmente prega esse sentimento. Como entusiasta de cinema samurai, os ganchos de Ghost of Tsushima me pegaram às vezes. "Isso é com certeza uma referência a Harakiri. Isso é incrível", eu me peguei dizendo. Toda vez que entro em um impasse, Jin despachando um inimigo com uma barra iaido suave e rápida, sinto o Miyamoto Musashi de Toshiro Mifune. É um jogo que muitos queriam há anos e, na maioria das vezes, Ghost of Tsushima entrega.

Alguns trailers de Ghost of Tsushima mostram a luta de Jin entre o código de honra samurai e suas ações como o Ghost, uma figura ninja. Na realidade, após o massacre do samurai, Jin faz uma mudança totalmente pragmática para matar os mongóis por qualquer meio necessário. Os resultados falam por si, pois fora de uma breve luta emocional durante seu primeiro assassinato, Jin praticamente permanece o caminho pelo resto da história. O conflito externo é Jin e o povo de Tsushima contra o líder mongol Khotun Khan, mas a luta emocional é entre Jin e o samurai mais dogmático que governa Tsushima: ele próprio.

ghost of tsushima
Foto: PlayStation/Divulgação

Jogabilidade

Embora este seja um típico jogo “chame seu cavalo com um botão e percorra o mundo aberto”, Ghost of Tsushima permite que sua personalidade aumente essa estrutura aparentemente rotineira. Começa um pouco desajeitado, com um conjunto de movimentos limitado e opções de aventura leves, mas quando você entra no loop principal, tudo se encaixa.

Sabe aquela trilha chata de migalhas que está na maioria dos jogos? Bem, o Ghost o reinventa, com um efeito de vento fluindo que aponta na direção certa enquanto altera descontroladamente o ambiente na frente de seus olhos. Eu nunca vou me cansar disso e agora eu quero isso em praticamente todos os jogos.

Sempre que você não estiver admirando o cenário maravilhoso de Ghost of Tsushima, estará matando muitos mongóis, já que Jin atravessa dois lados de sua natureza marcial. Por um lado, há Jin usando seu treinamento de samurai, empunhando uma katana lutando contra seus inimigos. Por outro, ele se esgueira pelos telhados, jogando bombas, sinos de vento e kunai para distrair e destruir os inimigos.

O ritmo do combate também é um espetáculo para ser visto. Resolver as coisas alimenta sua cura e suas habilidades, permitindo um equilíbrio interessante entre defesa e ataque. O ponto crucial da ação está alojado no sistema de parry baseado em tempo, bem como a necessidade de evitar ataques não bloqueáveis ​​(refletidos por um brilho azul e vermelho, respectivamente).

Ghost of Tsushima acelera lentamente à medida que você adquire novas posições, dançando entre elas para combater inimigos que usam escudos, lanças e espadas. Você também consegue se sentir poderoso no início, mesmo com uma barra de saúde baixa e sem truques, pois o sistema de aparar fornece a maioria das ferramentas necessárias para sobreviver. Adicionando coisas extras de ninja, mais opções de furtividade, esquiva e técnicas de força bruta ajudam você a personalizar o estilo de jogo de Jin ao seu gosto.

Como samurai, Jin tem acesso a vários estilos de luta: Pedra, Água, Vento e Lua. Todos os inimigos têm uma defesa forte e você precisa romper essas defesas para causar danos a eles diretamente. Cada estilo de luta é adaptado a um inimigo diferente, destinado a causar mais dano escalonado e abrir essas defesas. A postura de Pedra é eficaz contra espadachins, enquanto o Vento serve para abrir lanceiros. A troca de estilos diminui um pouco o tempo, e o combate em campo se divide em trocar de estilo rapidamente para atacar as fraquezas dos inimigos próximos.

ghost of tsushima
Foto: PlayStation/Divulgação

Quando Jin assume aspectos do Fantasma, seu estilo de espada samurai dá lugar a sua lâmina curta Tanto e uma série de ferramentas. Este é o lado sorrateiro de Ghost of Tsushima. Honestamente, achei essa parte insatisfatória até que progredi o suficiente para realmente desbloquear todas as ferramentas para distração e movimento adequados. Ter o gancho para alcançar os telhados ou o Wind Chime para mover os guardas pelo campo de batalha é muito importante, e no início você não terá essas opções, forçando-o a se esconder na grama alta e esperar que o caminho de um guarda divirja de seus companheiros por tempo suficiente para que você possa derrubá-los.

Uma vez que você tenha todas as ferramentas do Ghost à sua disposição, Ghost of Tsushima se destaca como uma sólida experiência de ação furtiva tipo Assassin's Creed, mesmo que os guardas sejam um pouco burros no serviço de guardar algo. Você pode percorrer um acampamento inteiro, matando os guardas um por um, sem que ninguém saiba. Você pode pular de um esconderijo e assassinar um alvo, e se você for rápido o suficiente, um guarda pode notar a queda de seu camarada, mas não resultar mais do que uma pequena investigação.

No final, o combate fluiu como uma dança, com você entendendo exatamente quando lançar uma kunai ou acender a espada para entregar a morte ao inimigo, aprendendo a evitar ataques como se tivesse desenvolvido o sentido aranha.

Conclusão

Ghost of Tsushima me impressionou desde seus momentos de abertura. Eu não posso enfatizar o suficiente: este é um dos jogos com cenário mais incrível que eu já vi, e não apenas do ponto de vista técnico. Ghost é de alguma forma mal-humorado, mas um maravilhoso poema. Sangrento e perigoso, mas calmo e sereno.

Fiquei chocado com a beleza do sol poente, grama balançando e folhas caindo das árvores. Cada região tem um firme senso de lugar, com diferentes plantas em vermelho brilhante, azul e amarelo. Campos inteiros de grama, ilhas de branco em um mar de verde, todos se movendo em suas próprias rotações independentes. É, sem exceção, um dos jogos triple-A mais coloridos desta geração.

Depois de dias e dias perambulando pelas florestas, decapitando senhores da guerra e parando de vez em quando para tocar um pouco da minha flauta, eu ainda queria mais quando o final de tirar o fôlego sinalizou o fim da história de Jin Sakai.

Mas esses são pequenos detalhes de um jogo que me deu dias e noites repletos de aventura e narrativa, me fez vibrar e me deu um novo apreço pela história e tradições do Japão feudal. Uma homenagem à cultura japonesa que você tem que experimentar. Jogue Ghost of Tsushima!

Denner Perazzo

Repórter


Compartilhe essa notícia


Esse conteúdo foi útil?

Siga o Inset

Conheça o Inter

De banco digital para plataforma de serviços integrados: o Inter se reinventou e cria o que simplifica a vida das pessoas.