Inset Indica: 60 Seconds!, um minuto para o fim do mundo

Denner Perazzo

Publicado 03/jun5 min de leitura

Resumo

Colete suprimentos para salvar você e sua família de um apocalipse. Tudo isso contra o relógio

Confira nossa vídeo sobre 60 Seconds!

Um apocalipse nuclear está prestes a acontecer na sua cidade. O que você faria se só tivesse sessenta segundos para juntar suprimentos e jogá-los em um bunker? O que levaria? Quais as suas prioridades? Sobreviver, lógico! É isso que você vai experimentar em 60 Seconds!

Este simulador de fim do mundo apresenta cenários terríveis de uma forma difícil de não rir. A premissa é simples: você é uma família suburbana americana na década de 1950 e as sirenes de ataque aéreo estão tocando. Você tem sessenta segundos (e agora o título faz sentido) para reunir o que você acha que precisa na casa e correr para o abrigo antibomba. Isso inclui membros da família, embora o valor desses aproveitadores seja discutível.

60 Seconds! é um jogo bastante simples em alguns aspectos, mas simples não significa que seja fácil. Um importante fator é a sobrevivência, na qual você precisará manter todos vivos com as decisões que você toma e os suprimentos que conseguiu reunir. O elemento aleatório do jogo significa que a sorte terá um papel importante em como você faz as coisas, pois cada jogatina será diferente e oferecerá alguns prós para aproveitar e contras para superar.

Sendo assim, aqui está o review do Inset Indica desta semana sobre 60 Seconds!

60 seconds!
Arte: Iara Ferreira/Inset

Jogabilidade

Em 60 Seconds!, você deve reunir o máximo de suprimentos e familiares que puder e entrar no abrigo do porão. Como você só tem duas mãos, você só pode carregar até quatro itens de cada vez (e no máximo dois itens grandes).

Alguns deles podem incluir um rádio para entretenimento, uma arma, um machado, kits de primeiros socorros e rações. Os únicos consumíveis são água e sopa. Nada de macarrão, batatas fritas, comida de astronauta, conservas, nada disso. Só sopa, porque dura 737 anos na lata.

60 segundos! oferece quatro modos de jogo. O primeiro, Atomic Drill, tem um tutorial embutido, e o modo Apocalypse é semelhante, menos o tutorial. O modo Scavenge oferece 60 segundos para coletar itens dentro de sua casa, enquanto o modo Survival pula tudo isso para permitir que você comece em um abrigo abastecido aleatoriamente. Para os três últimos modos de jogo, você pode escolher entre três níveis de dificuldade, mas seu tempo de coleta é sempre limitado a 60 segundos.

Durante a fase de sobrevivência, quando você está escondido no abrigo, o jogo se transforma em uma espécie de história de aventura. Pode ficar até monótono, porque você está preso nesta cena, sem personagens para mover ou lugares físicos para ir. Toda a história/jogo acontece através de um diário.

Todos os dias, você é informado do que está acontecendo e saberá se os membros da família estão cansados, com fome ou com sede. Você também terá escolhas a fazer, como dar sopa ou água a um ou mais personagens. Você terá a oportunidade de enviar familiares saudáveis ​​para vasculhar o mundo exterior. Sair pode ser perigoso, mas a vantagem de mandar alguém embora é que você não terá que alimentá-los, e eles podem voltar com suprimentos úteis.

60 seconds!
Foto: Robot Gentleman/Reprodução

Às vezes, acontece o inverso e você recebe visitantes, que variam de bons samaritanos a comerciantes e outros que podem pedir suprimentos. Você não vai realmente ver essas pessoas, já que tudo é contado através do diário. O que eu gostei no jogo foi como a aparência dos membros da família pode mudar de um dia para o outro, dependendo de como eles estão se sentindo.

Manter a família viva com comida e água é apenas parte da equação. A insanidade pode ser definida e representada através de diferentes cenários. Timmy, por exemplo, usará uma lata de sopa como um chapéu, já Ted fará uma amizade próxima com seu fantoche de meia. Eventos aleatórios também colocam a família em risco. A radiação tornou os ratos mais agressivos e eles podem tentar roubar sua sopa. Baratas mutantes também existem, mas que tipo de apocalipse nuclear seria sem elas?

Cada jogatina é única, até mesmo o layout dos itens da casa é gerado aleatoriamente para que você simplesmente não memorize o layout do item e corra para coletar tudo. Cada jogada pode durar cerca de trinta a sessenta minutos, o que é suficiente para você se divertir horrores, além de descobrir inúmeras possibilidades. Fique sabendo que há um final feliz e cerca de uma dúzia de finais infelizes diferentes. Ainda não vi o final feliz, mas tenho certeza de que os infelizes são mais divertidos.

60 seconds!
Foto: Robot Gentleman/Reprodução

Conclusão

A maior parte da jogatina é uma história visual bastante simples, onde as escolhas têm consequências no resultado. A combinação das escolhas corretas que levam ao final feliz é algo que eu ainda tenho que descobrir, mas me disseram que a combinação existe. A natureza gerada aleatoriamente dá um grande valor de repetição.

60 Seconds! é um jogo que agradará a alguns, mas afastará outros. O início do game é uma loucura cheia de emoção, enquanto você se questiona se consegue pegar apenas mais um item. O aspecto de sobrevivência é monótono, mas é envolvente por meio de seus eventos aleatórios e requisitos para descobrir a melhor forma de gerenciar seus recursos disponíveis.

O título é o tipo de jogo que você pega e joga por um curto período de tempo, joga outra coisa e depois pensa: “Vei, como eu quero jogar mais 60 Seconds”. Definitivamente, há o aspecto de replayability no jogo, já que cada nova jogatina é aleatória, se tornando cada vez mais divertida e imprevisível. Sendo assim, jogue 60 Seconds!

Denner Perazzo

Repórter


Compartilhe essa notícia


Esse conteúdo foi útil?

Siga o Inset

Conheça o Inter

De banco digital para plataforma de serviços integrados: o Inter se reinventou e cria o que simplifica a vida das pessoas.