Deputados dos EUA pedem a 'big techs' que guardem provas de potenciais crimes de guerra da Rússia

Logo do bot da Reuters

Reuters

Publicado 13/mai2 min de leitura

Por Rami Ayyub


(Reuters) - Quatro parlamentares democratas pediram na quinta-feira aos presidentes-executivos do YouTube, TikTok, Twitter e da Meta, dona do Facebook, que guardem conteúdos que possam ser utilizados como evidências de supostos crimes de guerra da Rússia na Ucrânia.


A Ucrânia e o países do Ocidente dizem que as tropas russas cometeram crimes de guerra na invasão que já dura 11 semanas e na qual milhares de civis foram mortos. A Rússia nega as acusações e diz que não tem civis como alvo.


Em uma carta ao presidente-executivo da Meta, Mark Zuckerberg, os parlamentares, incluindo os líderes dos comitês de Supervisão e Relações Exteriores da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Carolyn Maloney e Gregory Meeks, encorajaram a empresa a preservar o conteúdo postado em seus sites.


Esses conteúdos "poderiam potencialmente ser usados como evidências, enquanto o governo dos EUA e os observadores internacionais de direitos humanos e de responsabilização investigam crimes de guerra russos, crimes contra a humanidade e outras atrocidades na Ucrânia”, diz a carta.


As cartas também foram assinadas por dois parlamentares que comandam subcomissões na Casa, William Keating e Stephen Lynch.


O Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas aprovou na quinta-feira uma resolução para estabelecer uma investigação sobre possíveis crimes de guerra cometidos por tropas russas em lugares próximos à capital da Ucrânia, Kiev, e arredores, uma medida que a Rússia classificou como um acerto de contas político.


(Por Rami Ayyub; reportagem adicional de Paul Grant)

Logo do bot da Reuters

Reuters

Agências


Compartilhe essa notícia


Esse conteúdo foi útil?

Siga o Inset

Conheça o Inter

De banco digital para plataforma de serviços integrados: o Inter se reinventou e cria o que simplifica a vida das pessoas.