Inter&Co bate o sino e já tem ações negociadas na Nasdaq

Alexandre Diniz

Publicado 24/jun6 min de leitura

Resumo

Migração das ações da B3 para a bolsa americana faz parte do projeto de internacionalização da companhia

“É apenas o dia um, ainda temos muito por vir”. Foi assim que o CEO da agora Inter&Co, João Vitor Menin, descreveu animado o início da trajetória da companhia na Nasdaq, nos Estados Unidos. Nesta quinta-feira (23), a empresa passou a negociar 100% das suas ações na bolsa norte-americana. E o “listing” não poderia ter sido mais especial.

Exatamente às 9h30 do horário de Nova York - 10h30 em Brasília - o executivo e uma comitiva do Inter abriram as atividades do mercado, tocando o famoso sino de Nasdaq, na tradicional cerimônia que celebra a entrada de novas companhias na listagem da bolsa.

Já na sede do Inter, em Belo Horizonte, um verdadeiro “mar laranja” acompanhou tudo por um telão especialmente instalado na esplanada do prédio. Expectativa e euforia que marcam uma nova etapa. No discurso de boas-vindas, João Vitor descreveu a entrada na Nasdaq como “um sonho se tornando realidade”. De acordo com o CEO, o movimento é um importante passos rumo a um plano de ampliação cada vez mais ambicioso.

“Percorremos uma grande jornada no Brasil. Temos 20 milhões de usuários no nosso Super App, o único verdadeiro Super App no mundo ocidental. Estamos muito animados com esse momento, pois não só passamos a ser listados nos Estados Unidos, aqui na Nasdaq, como também estamos trazendo o nosso negócio para cá”, comentou Menin durante o discurso de boas-vindas.

Menin se referiu à Global Account do Inter, que já está ativa e operando com remessas internacionais de dólar. “Lançamos nossa Conta Global na semana passada e nosso sonho agora é ajudar também vários imigrantes e, posteriormente, vários americanos a terem um produto de qualidade nas mãos, como fizemos com mais de 20 milhões de clientes no Brasil”, destacou.

A entrada definitiva na Nasdaq só reforçou a confiança em um futuro de ainda mais conquistas internacionais. “Tenho certeza de que chegaremos lá. A nossa tecnologia, o nosso time e o apoio dos nossos acionistas nos farão impulsionar ainda mais a companhia”, ressaltou João Vitor.


Citação
Estamos muito animados com esse momento pois não só passamos a ser listados nos Estados Unidos, aqui na Nasdaq, como também estamos trazendo o nosso negócio para cá.
João Vitor Menin, CEO do Inter&Co

Nasdaq: por que a migração é tão importante para o Inter?

O início da trajetória na Nasdaq é um marco que certamente vai inspirar outras empresas brasileiras. Mas engana-se quem pensa que o DNA nacional do Inter se enfraquecerá. Pelo contrário. A intenção é dar mais robustez na atuação.

E se ainda existe alguma dúvida por parte de investidores sobre a importância dessa internacionalização, a companhia esclarece. Continuar aberto para investimentos nacionais e acessar novas possibilidades em um mercado estrategicamente central no mundo. Segundo o vice-presidente de Tecnologia, Operações e Finanças, Alexandre Riccio, esse é o objetivo ao migrar as ações para os Estados Unidos.

“Com essa mudança, preservamos a capacidade de sermos investidos por fundos brasileiros e cidadão brasileiros, seja via BDR ou acesso direto à bolsa americana. Mas, além disso, passamos a acessar uma gama de investidores que só investem em ativos nos Estados Unidos. Por isso operar na bolsa americana facilita essa aproximação com investimentos que possibilitarão um crescimento exponencial no futuro”, diz o VP.

Marca mais forte, mais pessoas simplificando a vida

De acordo com a diretora jurídica de Governança, Operações Corporativas e Compliance do Inter, Ana Luiza Forattini, estar na Nasdaq traz também uma credibilidade e uma exposição muito maiores para o americano e o imigrante. Quanto mais a companhia é conhecida e vai ganhando a confiança de um outro mercado, mais possível é evoluir e oferecer produtos e serviços que façam a diferença no dia a dia daquelas pessoas.

“Mais gente nos EUA passa a confiar na marca Inter. O grande ponto agora é entender o que os clientes por lá precisam e fazer as entregas de forma constante e com a excelência que já fazemos por aqui”, afirma Ana Luiza.

Expansão e estratégia em meio a um cenário mundial de cautela

O cenário econômico atual nos Estados Unidos é inegavelmente desafiador. Diante disso, alguns investidores podem enxergar com cautela a migração do Inter para Nasdaq. No entanto, quando questionada sobre o assunto, Helena Caldeira destacou à Forbes Brasil que a companhia está tranquila com o processo. Os motivos? Uma estrutura sólida de negócios, objetivos a longo prazo muito bem estudados e as estratégias corretas de mercado.

“Entendemos que nossa estrutura é isenta ao ambiente adverso, já que o que buscamos é um efeito a longo prazo, sem a necessidade de ter acesso a mais capital. Isso nos deixa mais tranquilos”, disse.

De acordo com Caldeira, um dos segredos para enfrentar as turbulências globais, como o aperto monetário, está na diversificação de receitas. “Quando fizemos a mudança do modelo de negócio para virar um banco digital, queríamos justamente ser mais resilientes do que apenas um banco médio no Brasil. A gente queria ter diversificação de receitas, o que de fato aconteceu e nos deixa protegidos”, disse Helena ao portal da Forbes.


Citação
Com essa mudança, preservamos a capacidade de sermos investidos por fundos brasileiros e cidadão brasileiros, seja via BDR ou acesso direto à bolsa americana. Mas além disso, passamos a acessar uma gama de investidores que só investem em ativos nos Estados Unidos. Por isso operar na bolsa americana facilita essa aproximação com investimentos que possibilitarão um crescimento exponencial no futuro.
Alexandre Riccio, vice-presidente de Tecnologia, Operações e Finanças

Stocks ou BDR’s?

Quando se fala em companhias listadas em bolsas americanas, existem duas principais formas de se investir: Stocks ou BDR’s. Mas você sabe o que significa cada uma delas? O Inset explica para você.

Para entender de uma vez por todas, BDR é a sigla para Brazilian Depositary Receipts. Eles são certificados que representam ações emitidas por empresas em outros países, mas que são negociados aqui, no pregão da B3. Ou seja, uma maneira de você investir em ações estrangeiras de forma indireta. Já as stocks são as ações negociadas diretamente nas bolsas de valores dos Estados Unidos.

Ao investir direto na Nasdaq com as Stocks, uma faixa de isenção de imposto sobre lucro é disponibilizada, enquanto no BDR existe imposto para qualquer valor de venda com ganho de capital. Investindo lá fora ,de maneira direta, você "dolariza" seu investimento, enquanto a negociação com BDRs é feita em real. Opções diferentes, mas interessantes em um plano de diversificação.

Stocks ou BDR? Entenda para investir
Stocks ou BDR? Entenda para investir

Conversão de BDRs em ações da Inter&Co em Nasdaq

O passo a passo para o acionista até Nasdaq é simples. Quem investe na empresa teve até o dia 20 de maio para escolher se trocava as ações por BDRs (INBR31) listados na B3 ou se recebiam o valor dos papéis em dinheiro. Após isso, no último dia 20, a companhia começou a negociar os certificados na bolsa brasileira. Ontem, por sua vez, começou o processo de conversão dos BDRs em INTR – ação Classe A negociada no índice Nasdaq – para quem deseja começar a operar no mercado norte-americano.

Quero investir na Nasdaq, o que faço? Acionistas que quiserem ter papéis da companhia negociados diretamente na Nasdaq podem solicitar a conversão de seus BDRs junto à corretora de uso, como citado. Importante lembrar que a Inter&Co vai arcar com as taxas da conversão cobradas pelo Banco Bradesco S.A., instituição depositária do programa de BDRs, pelos primeiros 30 dias, entre 22 de junho e 22 de julho de 2022.

Como fazer essa conversão? Para fazer o pedido de conversão dos BDRs é necessário ter uma conta em uma corretora internacional, o que também é possível pelo próprio Inter. O Super App hospeda uma plataforma global de investimentos que permite essa operação. Quem quiser manter os BDRs negociados na B3 também poderá seguir dessa forma, negociando o ativo INBR31.

Todas as informações sobre datas e próximos passos para os acionistas do Inter dentro do processo de reorganização societária podem ser conferidos no site de Relações com Investidores da companhia, acessando aqui.

Ficou alguma dúvida? Quer entender melhor? Confira o vídeo que o Inter preparou:

Já é possível converter BDR em stocks do Inter

Do IPO a Nasdaq: como o Inter construiu essa trajetória

Nenhuma grande conquista acontece por acaso. Ano após ano, cliente após cliente, o Inter foi tomando corpo, criando e ampliando avenidas de negócios e chegando mais perto de crescer as fronteiras de forma tão pioneira para além do Brasil.

Você conferiu aqui no Inset como foi todo esse processo de amadurecimento até a data de hoje, que marca a grande estreia na bolsa norte-americana. Quer um resumo dos principais marcos do IPO até a internacionalização? Confira:

Linha do tempo Inter: os principais passos até Nasdaq

Esse conteúdo foi útil?

Siga o Inset

Conheça o Inter

De banco digital para plataforma de serviços integrados: o Inter se reinventou e cria o que simplifica a vida das pessoas.