Da B3 para a Nasdaq: Inter atualiza informações sobre transição

Lucas Eduardo Soares

Publicado 03/nov1 min de leitura

Resumo

Companhia convocou assembleia extraordinária para votar reorganização societária, ponto crucial para ida aos EUA

Em processo de transição para deixar a B3, bolsa de valores brasileira, e começar a listar ações nos Estados Unidos da América (EUA) – mais especificamente a Nasdaq, em Nova York –, o Inter divulgou, nesta quarta-feira (3), um fato relevante com informações atualizadas sobre as negociações. A ida para a bolsa norte-americana foi anunciada no mês passado pela companhia, que abriu capital na B3 em abril de 2018 e chegou a acumular, no último ano, uma valorização de mais de 100%.

No documento, o Conselho de Administração da companhia convoca os acionistas do Inter para uma Assembleia Geral Extraordinária (AGE), no dia 25 de novembro, para deliberações a respeito da reorganização societária. A modulação do processo tem sido feita com assessoria do Bank of America, Bradesco BBI, J.P. Morgan e Itaú BBA. Com a reformulação, a Inter Platform controlará a instituição no Brasil.

Ao longo do processo de mudança, o Inter deu algumas possibilidades a seus investidores. Uma delas é a migrar as ações pra BDR - recibos de açoes estrangerias e negociadas na B3 - ou receber o seu direito em dinheiro numa operação chamada cash out (R$45,84/PN Resgatável).

Expansão

No comunicado, o Inter diz que a consolidação dessa nova plataforma é “parte da estratégia de expansão e plano estratégico de longo prazo do Inter, que visa a expansão da atuação para o mercado internacional, permitindo a ampliação contínua da sua base de clientes, consolidando e fortalecendo o seu posicionamento no mercado digital de serviços financeiros e não financeiros”.

Atualmente, a instituição é uma companhia aberta e evoluiu do modelo de banco digital para um ecossistema com cinco “avenidas” de negócios, sendo elas: Day-to-Day Banking, Investimentos, Seguros, Shopping e Crédito. As avenidas, segundo o Inter, se complementam e retroalimentam.

Benefícios da Nasdaq

A companhia também informa que essa é uma forma de fortalecer sua posição como uma companhia global de tecnologia no setor financeiro, tornando sua competitividade com outras instituições financeiras digitais e plataformas de e-commerce globais mais acirradas. No fato relevante desta quarta, o Inter listou algumas desses principais benefícios.

- Abertura de novos mercados e acesso a oportunidades apoiando a aceleração dos planos de expansão internacional do grupo, possibilitando a ampliação da base de clientes, serviços e oferta de produtos;

- Maior acesso ao mercado de capitais global via nova listagem com estrutura de capital mais eficiente, permitindo o aumento da capacidade de investimento e crescimento do Inter em todas as linhas de negócio;

- Potencial de expansão e diversificação da base de investidores, aumentando a liquidez do Inter e tornando-a mais atrativa;

- Reposicionamento do Inter, possibilitando participação em futuras oportunidades internacionais de mercado, como aquisição de ativos estratégicos, consolidação e combinações de negócios.

Efetivação

Segundo o documento divulgado nesta quarta-feira, a conclusão da reorganização societária – que incidirá na saída da B3 – depende ainda de alguns fatores. Entre eles, o aval dos acionistas na AGE, pelos acionistas da HoldFin até a data o dia 25 de novembro, a aprovação da admissão à negociação das Class A Shares junto à Nasdaq, entre outros.

Lucas Eduardo Soares

Repórter


Compartilhe essa notícia


Esse conteúdo foi útil?

Siga o Inset

Conheça o Inter

De banco digital para plataforma de serviços integrados: o Inter se reinventou e cria o que simplifica a vida das pessoas.