Aço Brasil: Sanções abrem espaço para negociar cotas de importação dos EUA

Estadão Conteúdo

Publicado 07/mar1 min de leitura
A indústria do aço avalia que as sanções sofridas pela Rússia após a invasão à Ucrânia podem fortalecer a posição do Brasil nas negociações em torno das cotas de importação de produtos siderúrgicos semiacabados nos Estados Unidos.

A avaliação é de que, sem a concorrência pesada da Rússia no fornecimento de placas de aço, o Brasil estará em melhor condição para reivindicar a ampliação, ou mesmo a eliminação, da cota de importação do produto, instituída quando os Estados Unidos eram governados por Donald Trump.

"A Rússia é o segundo maior exportador de placas. O maior é o Brasil. Isso vai abrir espaço de negociação com os Estados Unidos", comentou Marco Polo de Mello Lopes, presidente-executivo do Instituto Aço Brasil, a entidade que representa a siderurgia nacional.

Durante entrevista coletiva da Coalizão Indústria, grupo de 12 setores industriais coordenado por Marco Polo, o executivo informou que uma nova missão empresarial está sendo organizada para visitar os Estados Unidos em meio às negociações por flexibilização das cotas. "Adianto que o pleito é de exclusão dos semiacabados. Não faz sentido a indústria americana, que precisa de placas de aço, sofrer essa restrição", argumentou.

Estadão Conteúdo

Agências


Compartilhe essa notícia


Esse conteúdo foi útil?

Siga o Inset

Conheça o Inter

De banco digital para plataforma de serviços integrados: o Inter se reinventou e cria o que simplifica a vida das pessoas.