Brasileiros terão que pagar taxa e pedir autorização para entrar na Europa

Izabella Souza

Publicado 31/jul3 min de leitura

Resumo

Novo sistema, que entrará em vigor no ano que vem, avaliará os perfis de cada turista para permitir entrada nos países europeus

Quem deseja conhecer a Europa em 2023 terá que incluir no planejamento um novo custo - e uma nova preocupação. A partir de novembro de 2023, a União Europeia exigirá de viajantes brasileiros uma nova autorização antes do embarque, além do pagamento de uma taxa de 7 euros (R$ 37 na cotação atual).

A “culpa” é do novo Sistema Europeu de Informação e Autorização de Viagens (Etias), que avaliará o perfil de cada turista para permitir a entrada nos países do Espaço Schengen (zona de livre circulação que engloba a maioria dos países da UE, além de Islândia, Noruega e Suíça).

O objetivo da medida é combater a imigração ilegal e aumentar a segurança nos países do bloco, impedindo a visita de pessoas ligadas a organizações terroristas ou prática de crimes no cruzamento de fronteiras.

Como conseguir o Etias?

Para obter o documento será necessário preencher um formulário on-line, via desktop ou dispositivos móveis, por meio de um sistema eletrônico da UE. O sistema realizará verificações sobre os antecedentes da pessoa e, na grande maioria dos casos, emitirá a autorização de viagem em poucos minutos.

Após a confirmação da autorização, os viajantes receberão uma resposta por e-mail com uma autorização de viagem válida ou uma justificativa para a recusa.

No decorrer do processo de validação, o viajante pode receber uma solicitação de mais informações, demorando até quatro semanas para a autorização sair. Por isso, é importante realizar o procedimento com antecedência. Se ela for negada, o turista pode recorrer às autoridades do país que avaliou a candidatura.

A autorização é válida para um número ilimitado de entradas durante três anos, e também será exigida para menores de idade e idosos com mais de 70 anos, porém estes turistas são isentos da taxa.

Viajantes que chegarem às fronteiras sem o documento e os que cometerem qualquer infração no país terão a entrada negada ou perderão o direito de permanência e de nova entrada no bloco.

Novo visto?

Segundo o site oficial do Etias, a autorização não é um visto. “Cidadãos que não têm visto continuarão a viajar pela UE, mas serão simplesmente obrigados a obter uma autorização antes da viagem”, diz o texto da página.

Cidadãos europeus não precisam do documento e seguem com liberdade de circulação pelo bloco. Nada muda para quem antes precisava de visto para entrar.

O sistema vem sendo discutido desde 2016 e passaria a valer em 2021, mas foi adiado. Antes da medida, algumas nacionalidades, como a brasileira, tinham permissão de entrada de turismo na área sem qualquer tipo de visto ou autorização de viagem.

Ainda não há informações oficiais sobre quando será possível fazer o processo de solicitação da autorização.

Izabella Souza

Repórter


Compartilhe essa notícia


Esse conteúdo foi útil?

Siga o Inset

Conheça o Inter

De banco digital para plataforma de serviços integrados: o Inter se reinventou e cria o que simplifica a vida das pessoas.