Selic deve voltar aos dois dígitos depois de quase cinco anos

Estadão Conteúdo

Publicado 02/fev2 min de leitura
Após quase cinco anos, a Selic, taxa de juros básica, deve voltar ao patamar de dois dígitos. A expectativa unânime do mercado financeiro é de que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central vai elevar a taxa em 1,5 ponto porcentual nesta quarta-feira, 2, dos atuais 9,25% para 10,75%. A última vez que a Selic esteve em dois dígitos foi em maio de 2017 (10,25%).

Por trás dessa alta acelerada dos juros - a Selic estava em 2% no início do ano passado -, está a inflação em patamares muito elevados. O cenário com que o Copom precisa lidar na reunião desta semana inclui inflação acima do esperado no IPCA-15 de janeiro e a sinalização do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de que pode começar a subir juros a partir de março.

"Começamos 2022 com uma inflação de 10%, e as pressões para o ano são diferentes das vistas em 2003 e 2016. Naqueles momentos havia a política, a política fiscal e o câmbio ajudando. Desta vez, o Banco Central está totalmente sozinho e com riscos muito presentes e claros ao longo de 2022, além de elementos adicionais", afirmou Sérgio Vale, da MB Associados.

Para Vale, haverá ainda duas altas de 1,5 ponto porcentual da Selic, em fevereiro e março, mas ele não descartou o risco de um aumento residual mais à frente.

"O BC tem sinalizado que não vai forçar a mão para tentar trazer essa inflação para meta (de 3,50%) já neste ano, mas isso não significa que, com uma inflação próxima de 6%, ele não tenha de atuar com mais agressividade", disse.

Estadão Conteúdo

Agências


Compartilhe essa notícia


Esse conteúdo foi útil?

Siga o Inset

Conheça o Inter

De banco digital para plataforma de serviços integrados: o Inter se reinventou e cria o que simplifica a vida das pessoas.