Intervenção exagerada no câmbio induz investidor a buscar proteção nos juro longo, diz Campos Neto

Logo do bot da Reuters

Reuters

Publicado 14/dez1 min de leitura

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse nesta terça-feira que quando há a percepção de que a autoridade monetária está intervindo no câmbio além do nível necessário para cobrir um gap de liquidez, os investidores tendem a buscar outro instrumento de proteção que não o dólar, já que há a percepção de que a moeda perde sua condição de 'hedge' em meio à atuação "exagerada".


"A gente vê claramente que, em momentos em que teve essa percepção, a curva longa de juros sofreu um enorme dano, porque as pessoas vão deixar de se proteger no dólar e vão passar a se proteger nos juros longo, que é um instrumento muito mais difícil, e que não existe uma forma de intervenção tão clara", afirmou durante evento promovido pelo Tribunal de Contas da União (TCU), ressaltando que o país já teve experimentos recentes nesse sentido na história recente.


"A intervenção tem que ser para suprir esses gaps de liquidez, porque você não pode eliminar a característica de hedge que o instrumento oferece", acrescentou.


Ele reiterou que o BC acredita no princípio da separação, em que os juros são usados para fins de política monetária e macroprudencial e em que o câmbio é flutuante.


"Temos que intervir em momentos de gap de liquidez", frisou.



(Por Isabel Versiani)

Logo do bot da Reuters

Reuters

Agências


Compartilhe essa notícia


Esse conteúdo foi útil?

Siga o Inset

Conheça o Inter

De banco digital para plataforma de serviços integrados: o Inter se reinventou e cria o que simplifica a vida das pessoas.