China registra fuga de capitais sem precedentes, desde a guerra, diz IIF

Estadão Conteúdo

Publicado 24/mar1 min de leitura
Desde a invasão da Ucrânia pela Rússia, há um mês, a China tem registrado nível "sem precedentes" de fuga de capitais, de acordo com o monitoramento diário de alta frequência do Instituto Internacional de Finanças (IIF).

Em relatório divulgado nesta quinta-feira, a instituição explica que ainda é cedo para concluir se a guerra é responsável pelo movimento ou se há outros fatores em vigor, mas que a dimensão das saídas é grande o suficiente para pelo menos levantar a possibilidade de que o conflito esteja levando investidores a encararem o mercado chinês "sob um novo olhar".

O IIF destaca que, ao contrário de Pequim, os outros emergentes tiveram fluxos mais estáveis, em um contraponto inédito.

O instituto pondera que o ingresso de capitais na China aumentou nos últimos anos e escapou da intensa volatilidade observada em outros países, o que pode mitigar a gravidade da fuga recente.

No entanto, ainda de acordo com a análise, uma das razões para a estabilidade no fluxo chinês no último ano é a exposição reduzida de investidores ao país. "Essa subexposição é o que torna as saídas de capitais atuais notáveis. Os investidores estrangeiros estão menos posicionados, então por que eles estão vendendo ativos chineses?", questiona.

Estadão Conteúdo

Agências


Compartilhe essa notícia


Esse conteúdo foi útil?

Siga o Inset

Conheça o Inter

De banco digital para plataforma de serviços integrados: o Inter se reinventou e cria o que simplifica a vida das pessoas.