Bolsonaro desconversa sobre reajuste a servidor e diz que 'problema é Orçamento'

Estadão Conteúdo

Publicado 03/fev1 min de leitura
O presidente da República, Jair Bolsonaro, evitou se comprometer com uma data para decidir sobre o reajuste a servidores públicos. "O problema é o Orçamento", limitou-se a dizer, antes se encontrar com o presidente do Peru, Pedro Castillo. Por se tratar de ano eleitoral, a medida teria de ser anunciada até o fim de março.

Para atender a uma ordem direta de Bolsonaro, o Orçamento de 2022 reservou R$ 1,7 bilhão para o reajuste de servidores públicos. Embora não haja "carimbo" na verba, há acordo para que o valor seja usado para majorar salários de policiais federais, importante base de apoio do presidente.

A postura de "privilegiar" a categoria, no entanto, gerou revolta no restante do funcionalismo, com paralisações e operações-padrão que causaram transtornos em rodovias, portos e na fronteira do País com vizinhos, o que já faz o governo rever os planos.

Bolsonaro ainda citou o reajuste de 33% autorizado pelo governo federal a professores de educação básica na semana passada e a decisão de perdoar a dívidas de estudantes do Fies. "Estamos negociando a regulamentação", afirmou, sobre o programa de financiamento estudantil.

A maior parte do custo do reajuste dos professores, no entanto, vai ser paga por governadores e prefeitos, que já anunciaram que vão recorrer à Justiça para barrar o aumento.

Sem máscara

Após conversar com a imprensa, Bolsonaro posou para foto oficial com o presidente do Peru. O brasileiro não usava máscaras de proteção contra a covid-19, como recomendado por especialistas em meio ao recrudescimento da pandemia. O peruano, sim.

Estadão Conteúdo

Agências


Compartilhe essa notícia


Esse conteúdo foi útil?

Siga o Inset

Conheça o Inter

De banco digital para plataforma de serviços integrados: o Inter se reinventou e cria o que simplifica a vida das pessoas.