Dia das Mães: cuidado com os golpes!

Izabella Souza

Publicado 29/abr4 min de leitura

Resumo

Especialista explica os principais golpes on-line, dá dicas de como evitá-los e alerta: "O estelionatário conhece e estuda esses perfis e sabe a maneira de ‘atacar’ a vítima”

Levantamento realizado pela Serasa Experian mostra que os brasileiros sofrem uma tentativa de fraude a cada 8 segundos. Em 2021, o número cresceu abruptamente: um relatório da ClearSale diz que houve 6,1 milhões de tentativas de fraude por cartão de crédito no e-commerce, um salto de 74% na comparação com 2020.

Somadas, as tentativas de golpe que foram evitadas em 2021 totalizariam R$ 5,8 bilhões, um aumento de 58% em comparação ao ano anterior, quando o prejuízo evitado foi de R$ 3,6 bilhões.

Pois é. A digitalização do mercado cresce e os riscos também, como explica Bruno César, gerente de Prevenção a Fraudes do Letsbank: “Com a pandemia, várias instituições migraram seus processos de meios físicos para meios digitais, e houve uma carência da população. Devido ao isolamento, ficamos mais suscetíveis a cometer erros que, talvez em um cenário de normalidade, não cometeríamos. Todo mundo sai perdendo. O banco, o empreendedor e o cliente. Todos acabam sendo prejudicados, direta ou indiretamente.”

“O estelionatário conhece e estuda os perfis e sabe a maneira de ‘atacar’ a vítima”, analisa Bruno, que lista as fraudes mais comuns do momento: o golpe do Falso Brinde e do WhatsApp.

“No golpe do ‘Falso Brinde’, os golpistas se passam por agentes de grandes empresas via WhatsApp alegando ter um brinde para a vítima. Eles pedem os dados cadastrais, entregam o falso brinde no endereço e pedem uma selfie para comprovar a entrega. Porém, o que muitos não sabem é que essa selfie faz parte de um processo de instituições financeiras para liberação de empréstimos”, explica.

Já sobre o golpe do WhatsApp, Bruno detalha: “Eles se passam por parentes e amigos das vítimas, utilizando suas fotos através de um número desconhecido de WhatsApp para solicitar dinheiro via Pix. Alegam vários problemas como falta de limite de transação no banco, bloqueio de aplicativo ou quebra do aparelho celular.”

De acordo com o especialista, bancos e empresas estão se movimentando para mudar esse cenário. “As empresas devem reunir mais suas equipes gestoras de Prevenção a Fraudes para debater o tema, publicar conteúdos de conscientização e realizar investimentos robustos em tecnologia para prevenção de fraudes e golpes. Infelizmente, ainda temos um grande tabu nas organizações, que não identificam uma estrutura focada em antifraude como investimento”, diz Bruno, que dá algumas dicas para evitar dor de cabeça:

  • Tome muito cuidado com seus dados pessoais e não os forneça para ninguém que se identifique como instituição, empresa ou organização;

  • Se desconfiar de algo errado durante uma compra, não prossiga com a ação e contate os canais oficiais das empresas para confirmar as solicitações;

  • Se alguém procurar você no WhatsApp por meio de algum número desconhecido usando a foto de alguém familiar, não responda de imediato. Tente contatar a pessoa da foto através de algum outro telefone ou por e-mail ou redes sociais para se certificar que, de fato, não se trata de golpe;

  • Em compras online, priorize os sites de empresas mais conceituadas. Se optar por marcas que não sejam tão conhecidas, sempre pesquise a reputação delas;

  • Evite entrar em seus aplicativos bancários a partir de redes públicas. Procure realizar suas transações a partir de redes próprias ou conhecidas e confiáveis;

  • Quando “ganhar” um brinde, verifique nos canais de atendimento da empresa se realmente existe alguma campanha para premiar/contemplar clientes com presentes ou descontos;

  • Não tire fotos e selfies com o celular de outras pessoas, seja por qualquer motivo. Se for e/ou precisar realizar onboarding em alguma instituição, faça sempre de seu telefone, utilizando redes conhecidas;

  • Utilize senhas fortes, com mais de 10 caracteres e alternando letras maiúsculas, minúsculas, números e caracteres especiais. Evite utilizar datas de nascimento e colocar a mesma senha em vários acessos.

Citação
Datas comemorativas são excelentes oportunidades para os golpistas entrarem em ação. Eles percebem a fragilidade e a urgência das pessoas em comprar e receber e se aproveitam disso."
Bruno César, gerente de Prevenção a Fraudes do Letsbank

Izabella Souza

Repórter


Compartilhe essa notícia


Esse conteúdo foi útil?

Siga o Inset

Conheça o Inter

De banco digital para plataforma de serviços integrados: o Inter se reinventou e cria o que simplifica a vida das pessoas.