Consumidor quer promoção para garantir 'mimo' do papai

Letícia Almeida

Publicado 05/ago3 min de leitura

Resumo

Data será celebrada no próximo dia 14, e 68% dos brasileiros pretendem presentear na ocasião

Como em outras ocasiões comemorativas, a expectativa do comércio para o Dia dos Pais, que neste ano será celebrado no próximo dia 14, é grande. Com a retomada do consumo mais forte em relação ao ano passado, mais pessoas devem ir às compras em 2022, e fatores como preços atrativos e promoções serão o principal motivo para determinar a escolha dos "mimos" para a data.

De acordo com levantamento da Opinion Box, empresa especializada em pesquisa de mercado, 68% dos brasileiros têm intenção de presentear neste Dia dos Pais. Além das ofertas e bons preços, considerados por 75% dos consumidores, vantagens no frete (55%) e garantia de qualidade dos produtos (53%) também serão critérios priorizados no período.

Facilidades de logística também estão entre os pontos considerados pelos brasileiros na hora de adquirir um item: para 43%, poder comprar on-line e retirar na loja física ou comprar na loja e receber em casa será um fator essencial.

Gráfico com fatores essenciais para compras neste Dia dos Pais (Arte: Inset)
Arte: Inset

Se por um lado os benefícios de entrega e de frete podem ser um gatilho para atrair o consumidor, por outro, taxas de frete ruins (57%), prazos de entrega longos (52%), além de falta de confiança (50%) na loja, são fatores que podem fazer os consumidores desistirem das aquisições. É o caso da psicóloga Marília Pereira, 26, que afirma que essas serão as principais questões a serem levadas em conta.

Isso porque, no ano passado, a insatisfação com a entrega do presente do seu pai foi o que marcou a data. Ela lembra que adquiriu o produto com mais de duas semanas de antecedência já prevendo o prazo de entrega, mas o item – um barbeador elétrico "escolhido a dedo", como ela conta – só chegou ao destino após duas semanas do combinado.

"Minha intenção era fazer uma surpresa, já que não passaria a data perto dele. Mas a surpresa virou uma dor de cabeça, porque o produto não chegava ao destino e eu tive muita dificuldade para rastrear a encomenda e conseguir contato com a loja", recorda.

Enquanto a maioria dos brasileiros pretende aproveitar o momento para presentear, outros 20% afirmam que não vão comprar nada no Dia dos Pais. Entre os motivos, a maior parte (55%) revela não ter alguém para dar o presente, enquanto 13% afirmam não ter o hábito de trocar lembranças. Uma parcela de 12% ainda não decidiu o que fazer. 

Valor desembolsado deve ser mais alto


Roupas, calçados e acessórios são os itens que mais devem ter saída neste ano. Segundo a análise da Opinion Box, 50% das pessoas que vão presentear alguém com produtos dessa categoria, seguido de presentes eletrônicos e de informática (35%), esportes (28%), eletrodomésticos e eletroportáteis (23%). Outros segmentos também aparecem, mas com menor força, como alimentos e bebidas (21%), beleza e cosméticos (21%) e livraria (16%).

A expectativa é que o valor desembolsado com os itens seja maior do que no último ano. Em Belo Horizonte (MG), por exemplo, os moradores da capital devem investir, em média, R$ 125 por presente neste Dia dos Pais. Esse valor representa um crescimento de 29% em comparação com o ano passado, quando o tíquete médio foi de R$ 96,56.

Os dados são da pesquisa de intenção de compra elaborada pela CDL/BH (Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte). Na capital mineira, 64% dos consumidores pretendem ir às compras. Na média nacional, o gasto médio deve ser entre R$ 101 e R$ 200 (31%), de acordo com a Opinion Box.

Apesar das boas expectativas, o impacto que o novo aumento da taxa de juro pode ter na data deixa especialistas em alerta. Como explica o presidente da CDL/BH, Marcelo de Souza e Silva, com o encarecimento dos juros, o consumo é desestimulado, e o acesso ao crédito, tanto para o consumidor quanto para lojista, torna-se mais caro.

A Selic, taxa básica que regula as operações financeiras do país, foi elevada para 13,75% nessa quarta-feira (3). Com o aumento, o Brasil se consolida como líder no ranking dos juros mais altos do mundo.

Mesmo diante do receio de algum efeito negativo, a recomendação é que os lojistas aproveitem o período para se preparar para outras datas comemorativas, como Dia das Crianças e Black Friday. "Esse é o momento para entender o consumidor, o que ele está buscando, as formas de pagamento preferidas e o que ele espera do atendimento e dos produtos oferecidos. O comerciante que souber aproveitar a data para estudar esse comportamento, poderá ter resultados mais satisfatórios ao longo dos próximos meses”, orienta o presidente da CDL/BH.

Letícia Almeida

Repórter


Compartilhe essa notícia


Esse conteúdo foi útil?

Siga o Inset

Conheça o Inter

De banco digital para plataforma de serviços integrados: o Inter se reinventou e cria o que simplifica a vida das pessoas.