Quer ganhar R$ 400 mil para “testar” doce? Veja essa e outras vagas inusitadas

Denner Perazzo

Publicado 04/ago3 min de leitura

Resumo

Contratado teria o “difícil” trabalho de provar milhares de guloseimas; mas se você não gosta de doce, pode testar colchões ou até se arriscar pegando bolas de golfe em águas pantanosas

doces
Você se considera um amante de doces? Se sim, essa inusitada vaga é perfeita para você! (Foto: Envato Elements)

Já pensou em ganhar quase meio milhão de reais só para provar doces? É exatamente isso que a Candy Funhouse, empresa canadense, está oferecendo. A vaga para a função de 'chief candy officer' (diretor de doces, em tradução livre) é a dos sonhos de qualquer um, pois consiste em ter ideias para novos e velhos doces, além de aprovar ou reprovar as guloseimas a serem testadas.

Mas não pense que o trabalho é fácil. O ávido trabalhador selecionado terá que provar, nada mais, nada menos, mais de 3.500 doces por mês. Isso daria, aproximadamente, 42.000 guloseimas açucaradas por ano. Detalhe: não precisa ter experiência, apenas "papilas gustativas de ouro" e nenhuma restrição alimentar, segundo a empresa. O trabalho poderá ser feito em home office, porém o diretor deve morar em New Jersey, nos Estados Unidos, ou em Toronto, no Canadá.

Assim como todo trabalho duro, o empregado precisa ser bem remunerado. Por isso, a Candy Funhouse está oferecendo pela vaga 100 mil dólares canadenses por ano, o que daria cerca de R$ 400 mil por ano. Em entrevista à CNN dos EUA, Jamal Hejazi, diretor executivo da fabricante de doces, disse que “milhares de pessoas já enviaram o currículo, inclusive famílias inteiras, dispostas a dividir o trabalho árduo”.

E, aí, ficou interessado? A vaga está sendo oferecida por meio do Linkedin, rede social de empregos, e a candidatura pode ser feita até o fim desse mês por qualquer pessoa acima de 5 anos de idade, que terá como responsabilidade de dizer “quais novos itens serão incorporados ao catálogo e liderar as reuniões do “conselho de doces”. Mas não se preocupe com seus dentes. Além do salário de quase R$ 400 mil anuais, a empresa oferece plano odontológico de ponta. Importante detalhe.

Mais vagas para funções inusitadas

Não é de hoje que vagas para funções não convencionais ganham destaque. Ainda mais pelos altos salários que são oferecidos. Vejamos alguns casos:

Escritor de mensagem em biscoito da sorte

Já pensou em ser escritor de mensagem no biscoito da sorte? Você pode, e ganhando a bagatela de até R$ 120 mil por ano por isso. Mensagens dentro destes biscoitos são muito comuns nos EUA e requerem muita dedicação. Os principais requisitos são que a pessoa seja “inspirada e filosófica”, além de dominar o inglês.

Mergulhador de campo de golfe

Para esse vaga, você tem que morar nos EUA e ter curso de mergulho básico. Sua função consistirá em coletar milhares de bolinhas de golfe nos sujos e pantanosos lagos dos campos de jogo. Em média, os mergulhadores coletam 3.000 bolas por dia, vendendo-as por R$ 0,10. O seu salário mensal será de R$ 8 mil a R$ 16 mil por mês.

Testador de odores

Os requisitos dessa vaga não são muitos. Diria que coragem e estômago forte seriam os mais recomendados, mas uma formação em química talvez ajude. Você consegue distinguir o cheiro de odores, como de uma sovaqueira ou de uma flatulência? Então pode se candidatar. Caso seja escolhido, você ganhará de R$ R$ 3 mil a R$ 8 mil por mês.

Testador de colchões

Para essa, confesso que já me candidatei e será muito injustiça se não for chamado! O site estadunidense SleepJunkie, especializado no sono, lançou uma vaga na qual a pessoa seria contratada para testar colchões. A empresa lhe enviaria três exemplares e você, especialista na arte de dormir, daria seu feedback em relação à qualidade do sono, o nível de conforto dos colchões e descrever como ficou o humor após dormir em cada modelo. O salário é de US$ 3 mil, ou cerca de R$ 16 mil.

Gold farmer

Essa vai para o gamers de plantão. A Wow7gold, situada no interior da China, contrata pessoas para jogar um RPG on-line e acumular armaduras, ouro e outros itens nas contas de seus clientes, com objetivo de vendê-los na vida real. Feita de forma totalmente legal, há jovens que ficam até 10 horas por dia desempenhando a função, ganhando de R$ 260 a R$ 390 diários.

Denner Perazzo

Repórter


Compartilhe essa notícia


Esse conteúdo foi útil?

Siga o Inset

Conheça o Inter

De banco digital para plataforma de serviços integrados: o Inter se reinventou e cria o que simplifica a vida das pessoas.